Corrida Diário de uma Maratona Histórias de quem corre

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor.

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor. Acho que o pior pesadelo para quem gosta de praticar exercícios como a corrida de rua, ou para quem está se preparando para uma prova é a palavra lesão, mas não tem jeito, mesmo tentando fazer tudo certinho quando o volume de treino aumenta a possibilidade de ter uma lesão aumenta junto.

Como semana passada depois do treino de 30k (leia mais aqui) eu tava com dor no joelho, e tenho que avisar logo que não é qualquer dor que me tira do jogo, eu convivo com dores desde sempre, por causa do meu probleminha no joelho, na semana que passou eu dei uma folga de 3 dias off, fazendo apenas alongamento e yoga 20 minutos por dia  (tirando a trilha de 4 horas, que eu não deveria ter feito na viagem para a Noruega, mas não tinha como evitar, vou contar como foi em breve).

Na quinta eu fui fazer um teste com a bike, fiz 12k e não senti nada, a pessoa já fica com uma alegria e uma esperança sem tamanho no coração. Porque coração de corredor de rua é assim, fica apertado quando não pode cumprir a planilha de treinos e descansar é muito pior que correr 20k, é ou não é?

Existe algum corredor de rua ou triatleta que consegue curtir direito o day off ou um período de molho? se você conhece me apresenta para essa pessoa me abençoar e me dar uns conselhos, por favor hahaha.

Na sexta fui para a piscina  fiz 43 min de deep running, e 20 minutos de treino de aqua gym, até ai nada de sentir dor e eu já estava andando normalmente sem incomodo, e pensei opa será que já melhorou, que eu já posso correr? Eu tinha o PowerMan domingo e como estava insegura, pensei vou testar no Powerman, se sentir dor eu paro na hora, a maratona é mais importante para mim.

Sábado eu fui no estica novamente, mais yoga e alongamento, ah e claro todo dia no gelo.

Chegou o dia da prova, ia fazer o Sprint 2,5k de corrida, 20k de bike (mas tava 21) e 5k, mamão com açucar né? Hahaha.

1797512_511711625617444_6471054417824374686_n

Chegamos cedo para entregar a Filó (a bike) e ficamos lá curtindo o sol no stand do National Geographic, eu tava na equipe deles, encontrei duas amigas que estão entrando no Tri também e ficamos ali conversando, o dia estava lindo 18C quentinho, uma sorte, porque esta época do ano ainda pode até nevar como aconteceu ano passado. Eu estava feliz por poder correr e passear de bike de short e camiseta, ninguém aguenta mais casaco nessa época do ano.

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor.

Quando começou a prova sai naquela empolgação eu já sabia que o percurso da corrida era lindo, sai correndo sem olhar no relógio, no tal do confia e vai, curtindo a vista como sempre faço e com a frase “se doer para criatura” na cabeça.

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1k tudo lindo curtindo quando chego no km 2… ela chega, ninguém merece, começou a dor, olhei o relógio e tava correndo a 4:48 nunca corri tão rápido na vida haha, chocada diminui o pace, eu já tinha esquecido o se doer eu paro, e só pensava em 500m você vê se sente dor na bike, aí se doer você para Ana. Ok peguei a bike e saí, olha essa foto como eu tô com cara de gente grande levando a bike. 🙂

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O percurso de Bike foi lindo, lindo mesmo, eu nunca tinha andado de bike por alí, e fiquei apaixonada já querendo voltar para fazer fotos para o blog.

 

Foto do facebook do PowerMan
Foto do facebook do PowerMan

 

Foto do facebook do PowerMan
Foto do facebook do PowerMan

Fiz tudo curtindo mundo no pace da tartaruga, tentando me encontrar, como não conhecia o percurso e não tinha experiência, eu achei o percurso mal sinalizado, não sei se é porque foi o primeiro evento, mas em algum lugares eu não sabia se deveria seguir ou dobrar (tinham duas distâncias na competição) e em alguns lugares não tinha placa mas umas pessoas falando o que era para fazer.

Numa das curvas complicou para mim, como passamos rápido na bike e as criaturas estavam gritando longo segue, curto dobra, eu só escutei o segue, quando cheguei mais na frente um me fala vc é Sprint tinha que ter dobrado, eu tento voltar e vejo duas bikes, fui tentar virar e não ficar na frente deles ao mesmo tempo e não deu outra chão, me ralei toda e o joelho bom começou a sangrar, fiquei com raiva na hora, porque achei que a culpa da queda não foi minha e poderia ter sido evitada. Gritei para me ajudarem, sai meio irritada, o guidom da bike ficou torto, e eu tive que pedalar os outros 6k que faltavam assim.

Uns meninos que estavam passeando de bike (fora da prova) me seguiram e me acompanharam um pouco, perguntando se eu estava bem, tirando as dores de estar ralada e da Filó ter se ferrado toda, eu tava bem, fui me acalmando e voltei a curtir a prova.

Quando cheguei no final, passei da entrada e quase saio para mais uma volta pois só conseguia ver o povo mandando passar, mas voltei apenas 500m depois e terminei a bike, mas uma vez falta de sinalização adequada, fiquei sabendo que 3 pessoas acabaram fazendo mais uma volta.

Troca de sapato e sai para a corrida, já nos primeiros passos a dor voltou, e eu parei indecisa do que fazer tirei o suporte para ver se melhorava e nada, parei coloquei o suporte novamente e simplesmente não queria largar a prova ali sem a minha medalha, alguém ai me entende? Eu sabia que deveria parar, mas tava com aquela sensação de que com dor depois de 2k, a probabilidade de eu conseguir correr 42k em 20 dias é pequena, então eu queria aquela medalha… Vai entender?

Ia correndo e a dor tava grande, tentei cantar uma música na minha cabeça para ver se passava com a distração, e nada nem Amazing do Aerosmith que é uma de minhas favoritas.

Depois de um tempo nem curtir a paisagem eu conseguia mais e olha que tava linda, ai comecei a cantar um elefante se balançava numa teia de aranha quando ele viu que a teia resistiu foi chamar outro elefante, eu cantava isso  para irritar os outros quando era pequena, e fui cantando (na minha cabeça) até o décimo oitavo elefante, quando pedi as contas umas vinte vezes por causa da dor e esse elefante bombou pois eu ficava repetindo o 18 toda hora, cheguei no final e ai todo mundo escapuliu da teia de arranha que estava lotada de elefantes, peguei minha medalha de finisher no meu primeiro duathlon.

Diário da maratona, o Powerman e o joelho de corredor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Porém nem consegui comemorar muito já fui com cara de pidona para o Fisio que estava lá (ele sempre tem um stand nesse tipo de competição).

Ele olhou o joelho apertou tudo e me solta a bomba, o problema não é o cisto, ele tá bem, mas você tá com joelho de corredor no mesmo joelho do cisto na lateral oposta. Eu fiquei de boca aberta, não sabia se tava feliz pelo cisto estar bem (isso significa que se não der nessa eu vou poder tentar em outra maratona uhuuulll) ou se tava arrasada porque joelho de corredor é uma merda, perguntei se ainda dava para correr essa maratona.

Ele me respondeu, pode ser que ainda consigas, mas você vai ter que esticar muito e fazer muito educativo para poder tentar, isso que eu amo no meu fisio ele é como eu não desiste JAMAIS.

O post seguinte do diário está aqui.

Este videos tem duas dicas para melhorar o joelho de corredor.

Bons treinos e #corracomigo


Comments

comments

6 Comments

  1. Poxa amiga, imagino a sua angústia.
    Mas o que tiver que ser, será, acredite nisso!
    Uma hora as respostas chegam.
    E vc foi muito guerreira e corajosa.
    Parabéns. Por aqui sigo na torcida para que tudo dê certo.
    Bjão.

    Reply
  2. Ana, eu nao sei se dou risada ou se choro com esse post…

    Que negocio é esse de elefante??? Kkkkk

    Mas olha, claro que eu não chego perto de ser uma corredora como você, mas entendo perfeitamente esse negócio da dor x superaçao x ser racional.

    Tamu junto no funcional. No estica e puxa. Fica boa logo e parabéns pela medalha!!!!

    Reply
    1. Author

      A musiquinha do Elefante a gente cantava na escola quando eu era crica. Hahaha foi o que eu consegui lembrar na hora.Vamo que vamo que chegaremos la, pode ser que tome mais tempo que o que imaginamos mas o lema é não desistir. beijos

      Reply
  3. Ana, essa técnica de colocar os elefantes para balançar na teia de aranha é ótima! kkkkkk 😉 Um dia qdo eu crescer ainda vou ser atleta igual a você!!! Estou na torcida!!!

    Reply

Post Comment

Translate »

Ao continuar no site, você está aceitando o uso de cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close